A digitalização chegou em diversos setores e transformou a rotina de cada um deles. Desde a forma como pedimos comida até o modo como fazemos negócios, tudo é bem diferente em relação a uma década atrás. Ainda que com certo atraso, esse panorama também chegou ao chão de fábrica, gerando o que chamamos de Indústria 4.0.

 

Esse nome existe porque vivemos a quarta revolução industrial: a história do setor é marcada por grandes revoluções que mudaram o sistema de produção. A primeira revolução ocorreu há mais de 300 anos, com o início da mecanização. No século XIX, o sistema de produção em série e a energia elétrica caracterizaram a segunda revolução. Por fim, a automação e implantação de computadores nas fábricas geraram a terceira revolução, já no fim do século passado.

 

Os pilares da Indústria 4.0

 

A verdadeira marca da Indústria 4.0 é a digitalização de ponta a ponta do chão de fábrica. Sensores são incorporados em praticamente todos os ativos, máquinas e equipamentos, permitindo uma análise de dados completa e um entendimento real do que acontece na operação.

 

Ou seja, todos os processos estão conectados e comunicam entre si. De forma simples, é uma verdadeira fusão do mundo físico com o mundo virtual.

 

Para colocar todos esses conceitos em prática, algumas tecnologias estão ganhando força. Podemos dizer que elas são os pilares da Indústria 4.0, já que são quem sustentam toda essa transformação. As principais delas são:

 

Internet das Coisas

 

Representa a conexão em rede de objetos físicos (sejam máquinas, equipamentos ou qualquer outro recurso) de forma que eles possam coletar e trocar dados. Talvez a IoT seja a grande base da Indústria 4.0, já que é por meio dela que o chão de fábrica fica realmente conectado.

 

Sensores instalados em uma máquina, por exemplo, podem emitir alertas quando detectarem algo de errado no funcionamento. Outra aplicação é o uso de sensores para entender a movimentação de pessoas, equipamentos e produtos dentro da fábrica, melhorando a gestão de processos.

 

– Inteligência Artificial

 

É a tecnologia que permite que máquinas pensem como seres humanos, ou seja, que robôs ou sistemas possam aprender, tomar decisões inteligentes e solucionar problemas com base em dados.

 

Na indústria, a inteligência artificial pode estar presente na forma de veículos autônomos, em robôs trabalhando na linha de produção ao lado dos colaboradores, na inspeção de máquinas, entre outras aplicações.

 

– Big Data Analytics

 

Para extrair valor da Indústria 4.0 é preciso gerar e saber interpretar milhares de dados. Big Data são estruturas de dados extensas e complexas, que utilizam novas maneiras para capturar e gerenciar as informações coletadas no chão de fábrica.

 

A aplicação do big data na indústria se dá na antecipação de necessidades, na análise de dados para melhorar a relação com o cliente, na obtenção de insights valiosos para melhorar diferentes áreas estratégicas do negócio, entre outras funções.

 

– Impressão 3D

 

Por meio de impressoras 3D, é possível atingir um nível de personalização de produtos nunca antes visto. Ágil e de fácil utilização, a tecnologia permite criar modelos tridimensionais em sucessivas camadas de material.

 

Na Indústria, ela já vem sendo utilizada principalmente para protótipo de peças ou produção de ferramentas que facilitem a fabricação dos produtos. Porém, a tendência é que mesmo os produtos finais sejam fabricados através da impressão 3D.

 

Principais benefícios da Indústria 4.0

 

A transformação digital no chão de fábrica está muito ligada ao conceito de Lean Manufacturing. Apesar de ser um termo antigo, ele tem tudo a ver com o que Indústria 4.0 propõe: focar-se exclusivamente na eficiência dos processos para reduzir custos e maximizar o valor do que é produzido.

 

Diante disso, alguns dos principais benefícios que as novas tecnologias trazem são:

 

Otimização de Processos

 

A inúmera quantidade de dados gerados pelas tecnologias que envolvem a Indústria 4.0 dá aos gestores um entendimento muito melhor de como funciona a operação. Sabendo o potencial de suas máquinas, equipamentos e funcionários, fica muito mais fácil encontrar onde estão os gargalos produtivos e tomar atitudes que levem à otimização de processos e a maior eficiência no chão de fábrica.

 

Agilidade na operação

 

Com máquinas conectadas, robôs trabalhando dia e noite e processos muito mais automatizados, não é difícil perceber que as indústrias vão produzir muito mais em menor tempo. Essa velocidade chega inclusive ao consumidor final, que poderá ter produtos personalizados em curto espaço de tempo.

 

Qualidade no produto final

 

Um dos grandes beneficiados pelas inovações da Indústria 4.0 é justamente o comprador. A tendência é termos produtos de melhor qualidade, mais baratos e com menor tempo de fabricação, melhorando a experiência do cliente.

 

Conclusão

 

Embora ainda esteja dando seus primeiros passos no Brasil, a Indústria 4.0 já está transformando a maneira como nossas fábricas se comportam. Quem não embarcar nessa onda e não modernizar o negócio certamente será ultrapassado pela concorrência.

 

A Novidá ajuda empresas a colocar a Indústria 4.0 em prática. Oferecemos uma solução de monitoramento capaz de rastrear ativos, equipamentos e pessoas em tempo real, garantindo otimização de processos e melhor visão do chão de fábrica.

 

Saiba mais sobre nossa solução para a indústria!

 

Texto por Renan Fantinato, responsável pelo marketing da Novidá

Indústria 4.0 – A transformação digital no chão de fábrica
5 (100%) - 1 voto
Você pode também gostar