Imagine uma força de trabalho, seja para qualquer tipo de projeto, composta de indivíduos altamente qualificados que tenham uma compreensão abrangente do que é exigido deles diariamente.

 

Imagine pessoas que não apenas têm muita habilidade e conhecimento, como também reconhecem os valores centrais de seu ambiente e agem de acordo com isso. Soa como um cenário inalcançável, não é? A verdade é que só precisamos transformar nossos modelos de ensino para chegarmos lá.

 

A falta de convicção ou compromisso pode ser devastadora para qualquer um. Uma pessoa sem confiança em suas próprias habilidades, sem prática constante e sem um propósito justo estará desperdiçando conhecimentos.

 

O aprendizado emancipador é um modelo de ensino que mostra às pessoas que elas têm sim o poder de resolver seus problemas e se emancipar através da educação, da tecnologia e da prática. Com ele, é muito mais fácil qualquer pessoa aprender o que quiser e usar desse aprendizado de forma positiva.

 

O que é o aprendizado emancipador?

 

Através de extensa pesquisa e da união de estudos sobre educação pelo mundo todo, estabelece-se uma ligação entre conhecimento, confiança e comportamento.

 

Através da combinação de conhecimento e confiança, o comportamento apropriado se torna realidade e dá para as pessoas o poder de agir. Além disso, pessoas confiantes tendem a ser mais produtivas.

 

E essa confiança, no século 21, tem tudo a ver com tecnologia. A tecnologia transformou drasticamente todos os mercados e formas de agir no mundo. Pessoas que sabem de tecnologia possuem o poder de movimentar objetivos, resolver problemas, ajudar os outros e chegar a lugares onde nunca antes imaginávamos.

 

No entanto, essa autoconfiança pode ser uma maldição e uma bênção. Aqueles que confiam em informações falsas podem acabar fazendo algo que leve a resultados negativos ou até mesmo prejudiciais. Por outro lado, aqueles que não estão convencidos por suas próprias habilidades podem congelar em situações urgentes ou críticas.

 

Aprendizado baseado em missões

 

Para a maioria das tarefas, a única maneira de saber se as pessoas entendem suas responsabilidades e podem aplicar o conhecimento de maneira rápida, confiante e confiável é testá-los.

 

No entanto, nos modelos de testes utilizados pela educação tradicional, existe uma chance das pessoas responderem às perguntas corretamente com um palpite de sorte. Além disso, os testes padrão não chegam ao caminho de descobrir os níveis de confiança e competência dos funcionários.

 

Pensando nisso, utilizamos as missões. Um modelo de aprendizagem baseado em missões é o processo no qual os alunos organizam equipes para realizar algumas tarefas usando e integrando o que aprenderam de maneira criativa por meio dos recursos disponíveis no momento.

 

O modelo de aprendizagem baseado em missões ajuda particularmente as pessoas a desenvolver atitudes e habilidades para realizar alguma tarefa especial, aceitando o risco de que possam falhar.

 

As principais características de um modelo de aprendizagem baseado em missões são o comprometimento, a admissão de riscos, a persistência e o aprendizado por erro. Os alunos aprendem a ser responsáveis e focados para concluir a tarefa com o tempo e a pressão limitada dos recursos.

 

Comprometimento

 

O comprometimento ajuda a atrair estudantes e estimular sua motivação intrínseca, gerando um senso de propósito para que não desistam sob pressão porque tendem a investir todo o seu potencial na situação.

 

Admissão de riscos

 

Quando designada uma missão com tempo e recursos limitados, os aprendizes enfrentarão muitas dificuldades. Por isso, receberão um desafio para realizar a missão sob o risco de que eles possam falhar.

 

Persistência

 

As pessoas persistentes tendem a ver obstáculos como desafios a serem superados, e não como razões para fracassar.

 

Aprendizado por erro

 

Não importa qual seja o resultado, é preciso fazer autocrítica e auto-reflexão compartilhando os resultados com os outros. Neste modelo de aprendizado, os alunos são incentivados a aprender por experiência e melhorar suas estratégias.

 

Precisamos as pessoas para que sejam mais compassivas e confiantes de seu potencial para realizarem tarefas em benefício da sociedade. A educação é o melhor caminho para isso.

 

Embora haja muitas coisas que precisamos fazer para darmos início a essa transformação da educação, existem alguns elementos fundamentais que formam a base para comunidades de aprendizagem emancipadoras orientadas por missões.

 

1. Criar uma comunidade de aprendizes

 

Ser um aprendiz precisa ser parte natural da vida o tempo todo. Por isso, é preciso constantemente:

 

  • Fazer perguntas e modelar a curiosidade
  • Investigar novas ideias e discutir com outras pessoas
  • Usar dados para impulsionar os pensamentos em novas direções
  • Assumir riscos, cometê-los e revisar os planos
  • Falar com especialistas e buscar novas fontes de aprendizado
  • Experimentar coisas novas e compartilhar experiências

 

2. Conectar as pessoas com a missão

 

Em algum momento durante o ano, todo mundo fica atolado. Seja um pai infeliz, a pressão do trabalho sobre uma mulher, crianças com problemas de comportamento, entre outros.

 

Durante esses momentos, é fundamental se conectar com a missão. Lembre as pessoas do porque estão trabalhando duro. As pessoas não conseguem trabalhar bem por muito tempo sem inspiração. Quando as coisas ficam difíceis, lembre as pessoas do seu propósito.

 

3. Priorizar e limpar obstáculos

 

Se você não consegue lembrar de suas prioridades, é porque você tem muitas. Selecionar o que é mais importante ajuda a alcançar nossa missão. Uma vez que você priorize uma nova iniciativa ou selecione um foco para o desenvolvimento profissional, parte do seu trabalho é eliminar os obstáculos que impedem que você chegue lá. Metas podem ser chatas, mas são necessárias.

 

4. Utilizar a tecnologia como ferramenta

 

A melhor conexão entre aprendizado e confiança é a tecnologia. Mais do que ter acesso à redes sociais, precisamos formar pessoas ativas para criar em meio à tecnologia com o conhecimento de programação.

 

modelo de ensino

Turma da Estação Hack – primeiro centro de inovação do Facebook em parceria com a Mastertech, treinando jovens em programação, ajudando na criação de negócios inovadores e fornecendo recursos para os pequenos e médios empresários crescerem usando a economia digital a seu favor.

 

Aprender a programar é a nova alfabetização e fornece as ferramentas para qualquer projeto em benefício de si e da sociedade se tornar real, palpável. E por meio desses modelos de aprendizado, programar é para todos. Vem com a gente?

 

Aprendizado emancipador: como funciona nosso modelo de ensino?
Avalie esse post
Você pode também gostar