Cameo? Wtf?

o modelo de negócios do momento.

O Cameo é um dos representantes da linha mais recente de soluções digitais.

Mas o que ele faz?

Calma aí!

Dentre os modelos de negócios mais comuns, os que se sobressaem hoje são os que oferecem assinatura em troca de uma base de conteúdos diversos ou intermediações de todos os tipos, no formato de marketplace.

Olhe no seu smartphone, pense na modelagem de negócios, e é provável que seja um destes. 

Mais recentemente, essa modelagem ganhou uma ramificação que envolve um degrau de personalização.
 
A faceta mais destacada dessa evolução são os negócios que aproximam os conteudistas de seu público alvo, em relações mais intimistas, sustentadas pela oferta de materiais exclusivos.

É assim que funciona o OnlyFans, o Substack e outras plataformas do mesmo gênero. Mais do que acesso a volume, o que as pessoas buscam agora é proximidade com seus ídolos, sem intermediação.

O que acontece, em termos evolutivos, é que os negócios tendem, pouco a pouco, a remover as barreiras que existem entre o “produtor” e o “consumidor”, tornando a coisa mais direta e reta.

É a tal da eliminação de atravessadores e a redução do tempo que se percorre ao longo do processo produtivo, e isso significa também a eliminação de boa parte dos custos totais de um produto ou serviço.

Pois o Cameo é isso.

É uma plataforma que permite que você compre vídeos personalizados de suas celebridades favoritas. Diretamente delas.

Quer uma saudação de aniversário ou uma vídeo call? Entra lá e negocia. A coisa toda funciona como uma grande prateleira de supermercado, com produtos etiquetados com seus preços, o que serve como um termômetro econômico de popularidade, extrapolando um dos conceitos clássicos de economia — oferta versus demanda.

O que fez o Cameo se valorizar — na perspectiva dos investidores— foi a combinação entre transações simples de compra e venda com “tickets” médios altos, o que garante boas receitas de intermediação. 

E o fato da coisa toda ser virtual, sem encontro físico, ajudou na adesão de artistas e atletas, seduzidos por acessarem uma fonte rápida de dinheiro, sem estresse e na comodidade do remoto.

Em resumo, os fãs compram o que quiserem no buffet das celebridades, pagam por peso, e a Cameo fica com 25% do valor total. Simples assim.

O app está avaliado em 1 bilhão de dólares e tornou-se o novo unicórnio do zoológico de negócios digitais.

Se você não está se perguntando, eu estou.

Esse é um negócio tão simples e de baixa complexidade técnica, o que faz sugerir que em breve nascerão cópias, criadas pelos grandes, como Twitter, TikTok ou Facebook (Instagram, incluído).

Certo? 

Possivelmente.

Mas se é tão simples, porque não fizeram antes ou já não copiam rapidamente?

A resposta é “custo de oportunidade”.
 
Para essas empresas, o custo de copiar ou de eventualmente comprar esse app no futuro será muito mais barato do que desviar de seus objetivos estratégicos nesse momento.

No mais, existe um enorme investimento para mobilizar uma nova ideia.

Faz sentido, por ora, deixar o Cameo testar a hipótese, abrir um novo mercado, aprender com os erros, consolidar o modelo e popularizar uma nova dinâmica de se fazer negócios.

Quando tudo isso estiver estável, as grandes empresas, apoiadas em suas plataformas gigantescas de usuários, provavelmente copiarão ou comprarão o Cameo.

E quando elas fizerem isso, o custo e o risco pra pegar essa nova onda será muito mais baixo do que fazer nesse momento embrionário.

Mas isso não é problema do Cameo, que está curtindo sua própria onda, e que, de um jeito ou de outro, haverá de converter sua ideia em ganhos futuros.

Fiz menção a pegar onda no último parágrafo em homenagem a surfista mais legal do planeta, a minha amiga Bia, que comprou através do Cameo um M/Daily personalizado.

O valor permanecerá sigiloso.
Leia mais sobre o Cameo nesse artigo da Fast Company

https://www.fastcompany.com/90621980/why-on-earth-is-cameo-worth-1-billion-an-explainer

∎∎∎

Este texto foi originalmente publicado no dia 16/04/2021 no M/Daily, nossa newsletter via WhatsApp, onde você recebe materiais e curadorias sobre metodologias ágeis, negócios e transformação digital. Acesse no link abaixo.

https://materiais.mastertech.com.br/mdaily-20202

Deixe uma resposta