Procura-se…


Notice: class-oembed.php está obsoleto desde a versão 5.3.0! Use wp-includes/class-wp-oembed.php em seu lugar. in /var/www/html/wp-includes/functions.php on line 4802

Procura-se profissional que:

  1. Dá ritmo e cadência na execução de projetos.
  2. Deve ter amplo conhecimento das regras de negócios ou do funcionamento de produtos.
  3. Tem capacidade técnica para organizar e/ou deliberar sobre a montagem de um backlog.
  4. Entende que montar um bom briefing é uma das atividades mais relevantes no processo de desenvolvimento de produtos e soluções.
  5. Precisa compreender que existe um desnível de informação entre o que o cliente quer e o que é possível fazer.
  6. Ouve muito e pergunta muito. Tudo isso para transformar esse muito em mensagens assertivas para o Scrum Master e o time de desenvolvimento.
  7. Não deveria ser confundido e/ou assumir funções de um Scrum Master.
  8. Controla o backlog e antevê problemas e dilemas de entrega.
  9. Entende de tecnologias modernas, sabe conversar sobre e consegue explorar esse conhecimento no desenho de produtos e projetos.
  10. Sabe que gestão visual é elemento indispensável na organização dos recursos de trabalho.
  11. Tem “owner” no nome, pois atua como dono do produto e/ou projeto, sendo o elo forte entre o cliente e time de desenvolvimento.
  12. Faz mais ou menos o que fez o Brian Epstein com os Beatles. Ou o que faz a Paola Carosella na cozinha do seu restaurante.
  13. Pesquisa e se atualiza quando não sabe o que fez o Brian Epstein ou que faz a Paola Carosella.
  14. Precisa ter senso de liderança.
  15. Não precisa, necessariamente, ter posição de liderança.
  16. Não precisa ser dotado de ampla experiência, mas sim de grande competência técnica na liderança e organização de projetos.
  17. Gerencia emoções, se baseia em fatos, entrega realidades.
  18. É flexível para entender que requisitos mudam.
  19. Sabe lidar com imprevistos e é capaz de gerenciar expectativas, tanto de clientes quanto do time de entrega.
  20. Não tem de ser expert em tecnologia, não tem de ser expert em finanças, não tem de ser expert em negócios, tampouco em marketing. Mas precisa ter boas noções de tudo isso e conhecer muito bem que são as pessoas competentes nessas áreas e extrair o melhor de cada uma delas.
  21. Não, não é o mesmo que gerente de projetos ou analista de negócios. Se fosse assim, teria esses nomes.
  22. Tem autonomia de trabalho e alçada, é reconhecido pelas outras partes e tem capacidade de decisão.
  23. Entende as consequências financeiras e de negócios de uma entrega feita no prazo, mas sobretudo sabe calcular o impacto de uma entrega feita fora do prazo e/ou em desacordo com as especificações.
  24. Desenvolve interlocuções constantes em diferentes situações e contextos.
  25. Sabe adaptar mensagens de acordo com o perfil do interlocutor.
  26. Se sobressai por argumentação e não por força.
  27. Representa, acima de tudo, os interesses do cliente.
  28. É decisivo no processo de planejamento e nos ciclos de entrega.
  29. Deve ter consciência do seu espaço e não interferir no funcionamento dos times técnicos.
  30. Pesquisa mercado e concorrentes.
  31. Conhece e aplica o conceito de MVP.
  32. Entende que a retrospectiva é o coração da metodologia ágil, onde o aprendizado se consolida, onde erros e acertos são discutidos e onde o time se torna maduro.
  33. É líder por exemplo.
  34. Pode não ser P.O. vitalício, e estar apenas executando a função em um projeto específico.
  35. Não, não bota a mão na massa. Isso é desespero, e no desespero nada tem nome.
  36. É parcial, deve se manter parcial, deve transparecer parcialidade.
  37. É empático dos dois lados. Com o cliente e com o time de desenvolvimento. Ouve, pondera, negocia, alinha, cria convergências.
  38. É tanto melhor quando se comunica claramente, sobretudo em situações difíceis.
  39. Sabe que metodologias ágeis não são culturas da moda, mas consequências do espírito da época.
  40. Pratica antifragilidade.
  41. Entende, respeita e aplica conceitos de possiblidade adjacente.
  42. Não despreza cisnes negros.
  43. Sabe identificar o tamanho do “power distance” em sua empresa.
  44. Começa sempre pelo porquê.
  45. Não busca atalhos.
  46. Acredita na inteligência coletiva. Não do jeito místico, mas usando de frameworks específicos para tal.
  47. Sabe que agilidade não é sobre velocidade.
  48. Sabe que o excesso de métricas é a mesma coisa que métrica nenhuma.
  49. Entende que está sujeito a vieses cognitivos, como o de confirmação e o de retrospectiva. E se prepara para enfrentá-los.
  50. É raro.

Se você atende os requisitos, você é um legítimo Product Owner.

Dos melhores. Dos mais requisitados. De uma das profissões mais quentes do mercado.

Parabéns.

Ainda não é?

Busque saber como dar o primeiro passo.

Na Mastertech, temos algumas pistas.

Conheça a Formação de Product Owner da Mastertech

Procura-se…
Avalie esse post