O que não amar na grande mitologia de startups? Dois amigos tem uma ótima ideia de negócio, crescem de origens humildes em sua garagem para o grande status de empresa e depois vendem essa ideia por uma quantia enorme de dinheiro para que eles nunca tenham que trabalhar novamente.

 

Seus funcionários são extremamente engajados, satisfeitos e multifuncionais. A cultura da empresa é divertida e eficiente ao mesmo tempo, com chopp depois das 18h e uma mesa de ping pong pra descontrair nos intervalos.

 

Os investidores vão até você, os lucros crescem em disparada, tudo é perfeito. Há tanta estereotipação das startups sobre o sua forma de funcionamento que pode ser difícil saber o que é verdade e o que é simplesmente exagero. Aqui vamos desconstruir alguns mitos sobre trabalhar em startup para você.

 

Mito 1: você receberá um enorme pagamento de ações

 

A esmagadora maioria das startups não são grandes sucessos financeiros. É provável que, se você entrar em uma empresa logo no início, com um pouco de capital, sua ação ficará tão diluída quando chegar a hora de sair, que ela não compensará o corte salarial que você levou para estar lá. Isto é, se você tiver a sorte de estar envolvido em uma saída.

 

Pior de tudo, a equidade é fácil de perder. Se você sair mais cedo, for demitido por qualquer motivo, ou for descoberto que violou qualquer parte de seu contrato de trabalho, você poderá perder suas ações. Se você for para uma startup como funcionário pelo dinheiro, provavelmente ficará desapontado.

 

Verdade 1: você definirá a cultura, os padrões e as tecnologias usadas

 

A maioria dos engenheiros que entram em uma organização existente é atendida com uma série de regras predeterminadas, políticas estabelecidas, requisitos burocráticos e “melhores” práticas que você dificilmente mudará. Por outro lado, quando você entra em uma startup, quase tudo é fluido. As equipes de startups costumam receber novas ideias e ferramentas com bastante abertura, podendo ser implementadas rapidamente.

 

Também é provável que você receba alguma informação sobre a maneira como os futuros profissionais são contratados e a maneira como a equipe de tecnologia interage com a equipe de negócios. Essas responsabilidades extra podem ser difíceis para alguns, mas se soarem como algo de que você goste, provavelmente você vai se encaixar em uma startup.

 

Mito 2: você tem que trabalhar 80 horas por semana o tempo todo

 

Pode haver momentos em que é necessário colocar horas extras. Entretanto, elas são compensadas pela opção de telecomutação, políticas mais flexíveis de férias e horários de trabalho flexíveis quando as coisas não estão tão ocupadas.

 

Você deve estar pronto para sacrificar um pouco do seu tempo livre, especialmente se a sua equipe é composta por apenas uma ou duas pessoas, mas não é comum realizar uma semana de trabalho de mais de 80 horas. Você precisará de equilíbrio para evitar o desgaste e todos, exceto os piores empregadores, reconhecerão isso.

 

Verdade 2: você terá mais liberdade para escolher os projetos em que trabalha e como os realiza

 

Mesmo que você não precise gastar todos os finais de semana no escritório, é possível que você escolha fazer isso de qualquer maneira. Ao contrário do trabalho em uma grande empresa, as startups permitem que você tenha mais liberdade para escolher os projetos em que você trabalha e como escolhe executá-los.

 

Quer criar o próximo serviço interno em um novo idioma? Por que não? Quer criar seu próprio framework híbrido com base nos padrões que você implementou em sua equipe de engenharia? Você pode conseguir fazer isso.

 

Essas coisas seriam difíceis, se não impossíveis, em um ambiente corporativo grande. Mas quando as equipes são pequenas, os riscos são altos e as pessoas precisam se movimentar rapidamente, você tem mais espaço para experimentar novas ferramentas. Um ambiente que incentiva o aprendizado e a experimentação mantém as pessoas mais motivadas a investirem em ideias.

 

Mito 3: você precisa ser um hacker completo para trabalhar em uma startup

 

Toda vez que vejo uma lista de empregos que exige um desenvolvedor “rock star” que quer trabalhar por dinheiro em uma empresa sem nome, imagino um fundador não técnico do outro lado.

 

Engenheiros “rock star” às vezes trabalham em startups, mas geralmente trabalham para grandes empresas que podem pagar o dobro do salário. Os profissionais que já sabem de tudo não trabalham em startups

 

Os profissionais que trabalham em startups não são necessariamente hacks, mas tendem a ter origens não tradicionais, aproveitam os aspectos comerciais e tecnológicos do trabalho e têm paixão pelo problema que estão ajudando a resolver. Você não precisa ser uma “estrela do rock” ou seja lá o que for para trabalhar em uma boa startup.

 

Verdade 3: você deve estar disposto a aprender e ensinar a si mesmo qualquer coisa

 

Você provavelmente terá acesso limitado a mentores e professores quando estiver trabalhando em uma startup. Grandes empresas colocam os profissionais juniores em programas de treinamento, os enviam para turmas avançadas e os fazem passar por testes de certificação.

 

Em uma startup, você provavelmente não passará por essas etapas e não saber como fazer algo não é uma desculpa válida. Uma das melhores habilidades que você pode aprender se você pretende trabalhar para uma startup é a capacidade de descobrir as coisas por conta própria. Com o tempo, a maior parte das startups investem o que podem no aprendizado de seus profissionais.

 

Mito 4: startups são máquinas mágicas que são mais produtivas e pioneiras do que grandes organizações

 

Você pode estar exposto a momentos de aparente genialidade enquanto trabalha em uma empresa iniciante, mas, com a mesma frequência, sua equipe envia, por engano, algo que não funciona.

 

A desvantagem de trabalhar para uma organização que não está sobrecarregada com a burocracia é que há menos coisas para desacelerar novos bugs quando entram na produção.

 

Verdade 4: as startups estão constantemente enfrentando batalhas difíceis e você raramente terá os recursos de que precisa para fazer projetos

 

Parece que as startups se movimentam mais rapidamente e criam soluções para problemas difíceis de forma mais eficiente do que as grandes empresas, mas a verdade é que elas normalmente têm um limite de qualidade mais baixo do que suas contrapartes corporativas.

 

Às vezes é difícil aceitar isso porque nos esforçamos para obter soluções elegantes e bem testadas. Se você pode conviver com algumas vezes deixar de lado um projeto que seja “bom o suficiente”, você pode ser capaz de fazê-lo em um ambiente de inicialização.

 

Mito 5: há muito risco para programadores em startups

 

É verdade que as circunstâncias financeiras e as forças externas podem rapidamente estremecer uma startup em expansão, mas a vida como programador em uma grande empresa não é muito melhor hoje em dia.

 

Pelo menos em uma organização menor, você terá um relacionamento próximo o suficiente com os fundadores para perceber que as coisas estão parecendo sombrias antes que as portas realmente se fechem.

 

Verdade 5: o ambiente de trabalho é divertido, as conexões que você fará são inestimáveis ​​e a flexibilidade é imbatível

 

Isso não tem como negar. Enfrentar novos desafios, conhecer pessoas interessantes o tempo todo e conseguir conversar com elas de forma mais fluida é natural em startups.

 

No ambiente das startups, é muito mais comum que você possa alterar seu horário de trabalho, realizar cargas flexíveis e organizar seu tempo para finalizar suas tarefas da forma que preferir. Contanto que todos possam se reunir quando precisam, é incrível ter a flexibilidade de trabalhar no momento em que você é mais produtivo.

 

Trabalhar em startup talvez não te deixe rico ou aumente sua empregabilidade. Com certeza não vai tornar sua vida livre de estresse, mas se você tem a personalidade certa, é muito mais estimulante do que qualquer outro trabalho que você possa encontrar.

 

5 mitos e verdades sobre trabalhar em startups esclarecidos
Avalie esse post
Você pode também gostar